Páginas

quinta-feira, 19 de maio de 2011

HONORÉ DE BALZAC - 20/05/1799

Balzac por Auguste Rodin
         
           "Sentir, amar, sofrer, devotar-se, será sempre o texto da vida das mulheres”. Balzac

           Este mês o homenageado será o escritor Honoré de Balzac que muito admiro e de quem os belos escritos me fazem viajar pela Paris e pela França pós Napoleão Bonaparte. Seu estilo literário me seduz a desvendar avidamente o mundo dinâmico e complexo de seus personagens. Nos protagonistas muitas vezes o encontramos, jovens ambiciosos que lutam por obter destaque no seio da burguesia que muitas vezes desprezavam.
           Honoré de Balzac foi sem dúvida um dos maiores escritores de toda a França.. Nasceu na cidade de Tours em 20 de maio de 1799 e construiu uma grande obra denominada de A Comédia Humana onde exerceu com maior dedicação suas características literárias mais comuns em seus escritos, a descrição minuciosa da vida burguesa, as suas paixões, os seus conflitos e um conjunto de personagens que sempre se reencontravam naquela realidade social.
           No inicio de sua carreira escrevendo com vários pseudônimos não conseguiu se firmar, mas mesmo assim continuou intercalando esta tarefa e tentando outros empreendimentos que não lhe trouxeram sucesso, apenas mais dívidas. Ao começar a escrever utilizando o seu próprio nome anos depois começou a ver seu trabalho reconhecido e daí teve a idéia de reunir escritos que descrevesse todos os aspectos da sociedade com um só nome A Comédia Humana, um plano ambicioso que tratava de forma minuciosa os hábitos e costumes da sociedade burguesa.
           Na sociedade criada por ele os personagens representavam uma variedade de tipos sociais; os nobres, malandros, cortesãs, camponeses, a amante sedutora, grandes heroinas, homens honrados, mau caráter, avarentos, camponeses, notários, famílias inteiras. Assim, sua obra foi dividida em cenas: "da vida privada", "da vida de província", "da vida parisiense", "da vida política", "da vida militar" e "da vida do campo”. Seu estilo mesclado de romantismo, realismo e naturalismo influenciou tanto muitos dos escritores do seu tempo como das gerações que se seguiram.
           Os conflitos vividos por seus personagens se repetiam na sua vida, delírios de grandeza, vaidade, problemas financeiros e amorosos que subjulgando sua inteligência o levaram a um triste fim cercado de dívidas, cansado de um trabalho intermitente e de má alimentação. Sua obra no entanto permanece como um grande marco da literatura mundial, com clássicos como Ilusões Perdidas, O Lírio do Vale, Eugènie Grandet, A Mulher de trinta Anos, A Pele de Onagro, O Pai Goriot entre outros.
           Morreu em Paris a 18 de agosto de 1850 e seu caixão foi levado por Alexandre Dumas e Victor Hugo até o Cemitério de Pére Lachaise onde está seu jazigo e teve aí um discurso fúnebre realizado por Victor Hugo, seu grande admirador.

Imagem do Google

11 comentários:

  1. Balzac e Rodin a dupla perfeita de mestres. agradeço o carinho de sempre. beijos

    ResponderExcluir
  2. Oi Welze!
    Bom dia!
    Bom receber você cedo!
    Uma dupla insuperável, admiro demmis os dois!
    Eu que agradeço suas visitas sempre! Beijão e um dia de paz!

    ResponderExcluir
  3. Oi Val!!!

    Faz bastante tempo que eu li o livro "A Mulher de Trinta Anos" um dos livros mais brilhantes de BALZAC e o maior elogio que um homem poderia fazer a uma mulher, simplesmente estupendo!!! Incrível que este foi um livro que me marcou bastante e muitas vezes eu esqueço de citá-lo entre minhas leituras preferidas. Incrível como os blogs nos trazem memórias já esquecidas, me fez lembrar da época que eu estava na universidade e li este livro. Post mais que perfeito, amei!!!
    Bjus
    Bia

    ResponderExcluir
  4. Oi Bia!
    Os livros de Balzac com suas heroinas são maravilhosos, um turbilhão de sentimentos e emoções que ele tão bem descreve, tão conhecedor do universo feminino. Adorei cada um dos seus livros! Que bom que fiz relembrar coisas boas!
    Beijão e ótimo dia!

    ResponderExcluir
  5. Que mentes brilhantes, homens que não se foram ,ficaram pelo seus pensamentos.Bom estes posts em que a gente aprende mais.
    beijos Váleria e uma tarde de sol!!!

    ResponderExcluir
  6. Oi Yasmine!
    Que bom que gostou!
    Está um pouco difícil de aparecer sol por aqui!rsrs
    Como você é nova por aqui, venho fazendo nos últimos meses um post como homenagem aos grandes nomes das letras e artes que mais admiro. Engraçado que mesmo despretenciosos são os mais visitados por aqui...
    Bjos! Boa sexta-feira!

    ResponderExcluir
  7. É interessante como grandes artistas tem grandes conflitos. Hoje aprendi mais um pouquinho...
    Obrigada por colocar o selinho da violência sexual no seu blog.
    gd beijo

    ResponderExcluir
  8. Oi Valéria

    Balzac tem uma vasta obra que podemos nomear de maravilhosa. Tive o prazer de conhecer algumas e me encantei.
    Boa lembrança querida.

    Bjs no coração!

    Nilce

    ResponderExcluir
  9. Oi Valéria
    Até hoje insito em ler o Pére Goriot. Começo, recomeço e nunca sigo adiante. Estou perseguindo Balzac... ou ele está me perseguindo..rs
    Abraços

    ResponderExcluir
  10. Oi!!!
    Gilmara!
    São os grandes homens e suas mentes conflituosas!
    É o que faz deles gênios!
    Foi um prazer, pensei que fosse mais difíil!

    Nilce!
    Leio quase que com sofreguidão, adoro! Agora lendo Rosamunde parei um pouco, mas temum livro já alime eperando.rsrs

    Jorge!
    Que sumiço, heim?
    O Pai Goriot é uma história linda, muito verdadeira e cheia de conflitos principalmente familiares, filiais. Uma leitura apaixonante! Quando decidi por lê os grandes nomes da literatura francesa, Balzac foi o que me conquistou. Já li vários outros clássicos, mas minha estante está "decorada" de Balzac!rsrs

    Grande beijo e ótimo final de semana!

    ResponderExcluir
  11. Valéria vim desejar um ótimo fim de semana! muita paz e alegria
    um beijo!

    ResponderExcluir

Gostei de sua visita, volte sempre!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...