Páginas

segunda-feira, 4 de junho de 2012

A CASA GRANDE

Imagem do Google

              Naquela bela fazenda de grandes e verdes pastos a grande casa era cercada por muitas árvores de tamanhos variados que lhe acentuava um ar bucólico. A casa ficava no alto e para se chegar a ela era preciso subir vários degraus. O alpendre na entrada da casa era cercado por um belo jardim, mas não tão bem cuidado. Uma variedade de pequenas e coloridas flores davam boas vindas a quem chegava e entre elas as ervas daninhas teimavam em procurar ofuscar estas belezas. Todos os outros alpendres que a rodeava não possuíam degraus, só as altas paredes do alicerce que lhe emprestavam certa imponência e um certo perigo, lá crianças não podiam brincar, era uma regra dos adultos. Correr pelos grandes cômodos daquela casa era uma das brincadeiras preferidas das alegres crianças que lá moravam. Salas imensas e bem decoradas não eram apinhadas de móveis e eles podiam ali circular livremente. A grande mesa de jantar servia também de mesa para jogos animados de ping-pong onde eles mesmos em tenra idade tentavam jogar.
             O dia começava e terminava com a festa da retirada do leite das vacas que eram sorvidos ali mesmo no estábulo entre sorrisos e brincadeiras. Dali em diante o tempo era destinado só a brincar, de carroça, de cavalo de pau, tomando banho no riacho que cortava a fazenda, de tica-cola com os filhos dos trabalhadores, era uma vida simples e cheia de magia e o tempo era curto para tantas descobertas.
             Nas noites de lua sentar naqueles alpendres para ver a lua e as estrelas era um momento ímpar, onde as brincadeiras de adivinhações eram sempre bem vindas, vez por outra um ou outro corria a tentar pegar os vagalumes que com suas luzinhas brincavam de esconde-esconde com a noite. Em noites mais frias eram montados pequenos palcos iluminados à luz de velas na grande sala de estar para apresentação de teatro de fantoches o que prendia toda à atenção daquelas crianças com mente fértil e cheia de fantasias.
             Naquela grande casa, de pé direito duplo e paredes grossas não possuía ainda luz elétrica, o que a tornava cheia de mistérios quando a noite chegava e se faziam grandes sombras provocadas pela luz das velas a cada vez que alguém andava por seus cômodos. E, no entanto aquelas paredes embora sempre bem pintadas e fortes o que sugeriam segurança encobriam segredos, pelo menos para aquelas crianças. Os mais velhos não permitiam a ida delas em alguns de seus cômodos, inclusive também na velha caixa-d’água desativada que existia ao lado da casa e vivia de portas sempre cerradas estimulando mais ainda a curiosidade das crianças que teimavam em circular ao seu redor, mas sem nunca ousar transpor aquelas portas. Nas confusas lembranças deles, embotada pela fantasia alguém morrera ali, de uma frase perdida ali, outra sussurrada acolá eles na sua inocência ignoravam a tragédia que deixara aquela casa e seus moradores com um ar de melancolia, de saudade. Ali o dono da casa tinha posto fim a sua vida, um acontecimento triste e traumático que não fazia parte do imaginário daquelas crianças que alheias a estes fatos coabitavam seu mundo de fantasia onde a vida não passava de uma sequência feliz de acontecimentos. Era mesmo uma festa cada nascer do sol.

              Uma ótima semana para todos!

24 comentários:

  1. Que bom que estas crianças só aproveitavam o lado bom dessa casa, ignorando os mistérios de tristeza e melancolia que a cercava...ficção ou não...qual a moral da história? exatamente esta, estarmos alheios aos fatos que não nos trazem felicidade, e fazer disso uma constante...

    Lindo texto, parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Lindo,Valéria! E quantas fantasias passavam nas cabecinhas das crianças ao ver a porta proibida e os "falares" por lá! Linda descrição da casa e situações.

    Adorei!Gosto de te ler! beijos,chica, linda semana!

    ResponderExcluir
  3. Adorável seu conto querida, fui imaginando cada cena. Apesar da aura de mistério de alguns cômodos, era um lugar de muita alegria, companheirismo, um acolhimento gostoso entre os que por ali viviam e passavam.
    Bom dia e feliz semana amiga, beijinhos
    Valéria

    ResponderExcluir
  4. Bom dia,Valéria!!!

    Um conto lindo,minha amiga!!!
    Uma casa cheia de vida, cheia de histórias!
    Beijos!!Ótima semana pra ti!

    ResponderExcluir
  5. Lindo conto amiga, mas que pena que o morador, dono, tenha dado fim à sua vida ali, pois um acontecimento assim, marca para todo o sempre, as pessoas e o local.
    um beijo carioca e boa semaninha!

    ResponderExcluir
  6. Olá, adorei a visita!!!
    Boa semana pra ti!!!
    Bjs do Neno

    ResponderExcluir
  7. AMEI ESTE SEU CONTO..NARRATIVA QUE PRENDE DESDE O COMECO!!

    Parabens..

    Um beijo e boa semana!!

    ResponderExcluir
  8. Realmente o que importam são os lindos amanheceres, poder ver o sol nascer sempre, numa casa grande ou pequena... Amiga, que delícia ler esta narrativa tão bem detalhada e cheia de emoções. Grande abraço

    ResponderExcluir
  9. Todas as grandes casas antigas têm sua história. Nem sempre ela contém, apenas, alegrias. Mas para as crianças, esse mistério desenvolve a imaginação, sem assombros. Podem se embrenhar no que existe de belo e levar, vida a fora, maravilhosas lembranças. Linda a forma como desenvolveu seu conto.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  10. Lembrei da casa de vó, tão cheia de corredores e mistérios, as vozes que apenas sussurravam e as sombras das lamparinas nos oratórios que dava um arrepio quando íamos de um comodo a outro. O quarto de tio Odílio que só olhava com medo, o tio Alcides que era mistério puro. hoje o velho casarão de uma a outra rua não mais existe, mas ainda povoa minhas noites insones.

    ResponderExcluir
  11. Ai, querida Valéria, assim não vale!!!
    Passeei pelos jardins, pelas varandas, brinquei com as crianças pelos cômodos, assustei-me com os pés de conversa, imaginei coisas, muitas coisas e... que raio de homem foi esse que se matou???? rsssssssssssssssssss
    Isto não se faz com uma mulher na minha idade! rsssssssssss Quero saber do resto! Conta, vai, continua, faz em capítulos feito novela! Pleaseeeeeeeeee! rssssssssss
    Bjsssssssssssssssss, quérida!

    ResponderExcluir
  12. Oi Valéria,
    A descrição da casa e até mesmo a história, me fez lembrar das grandes fazendas do almeida prado em Jaú.
    Beijos 1000 e uma semana maravilhosa para vc.

    www.gosto-disto.com

    ResponderExcluir
  13. Ei Valéria
    Você é uma super escritora, linda história.
    Velhas caixas d'água me provocam arrepios, lembram-me uma da minha infância numa fazenda aonde nasci e morei até 19 anos.
    Muito boa.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  14. Bonito o conto e passeio pela fazenda encantada pela pureza infantil.
    bjs

    ResponderExcluir
  15. Ei, Valéria,
    Você está arrasando nos contos, hein?
    Sua capacidade narrativa é excelente. A descrição é tão perfeita que nos leva a acompanhar cada cena.
    Bem envolvente!
    Parabéns!

    Beijos.

    PS: Assim que minha lembrança chegar eu aviso, ok?
    Obrigada!

    ResponderExcluir
  16. Acho que as crianças precisam saber o máximo de verdades desde cedo, mas também me parece ótimo que os pequenos sejam poupados de algumas coisas, para que possam ser inocentemente felizes nos primeiros anos de vida - os únicos em que isso é plenamente possível. Thanks por me transportar pra esse lugar bonito logo cedo.
    Bjos

    ResponderExcluir
  17. O bom é que, esses lugares ficam marcados com as boas lembrancas, se existia algo de ruim passa despercebido, ou nao é o que marca... parece que a infância tem esse poder desmedido de fixar o que é bom, enquanto que na vida adulta temos que tomar o máximo cuidado de nao fixar só o que é ruim rs

    Gostei!

    ResponderExcluir
  18. Lembro da minha infância que existia sempre um mistério pairando...e deixavam que nossas mentes aguçassem fantasias,seja de medo ou alegria.Viver é assim.
    meu beijo Val...

    ResponderExcluir
  19. como eu gosto de ler sobre a casa grande.... a grande casa... é um retorno a infância, as lembranças... muito bom. obrigado abraços lamarque

    ResponderExcluir
  20. Olá Val!!!

    A grande casa parece um lugar de sonhos que faz viajar no tempo com belas memórias e recordações tão agradáveis.
    Concordo plenamente com o que você falou lá no comentário do meu blog, sobre o desrespeito e a ânsia do ter, ter, ter... você tem razão, acho que o pior de tudo é mesmo a ganância além dos limites.
    Uma ótima semana!!!
    Bjs :)

    ResponderExcluir
  21. Valeria,perfeita sua descrição!Foi como uma viagem no tempo!Lindo texto!bjs,

    ResponderExcluir
  22. Já li muito Gilberto Freyre, Manuel Bandeira e outros autores falando sobre a Casa Grande! Quantas estórias encerradas ali, dentro daquelas paredes!!!
    Segredos, alegrias, festas, maldades, intrigas, reuniões familiares, brigas, ternuras, amores, etc..etc..

    ResponderExcluir
  23. Que inspiracao amiga!
    Excelente final de semana!
    Bj Sandra
    http://projetandopessoas.blogspot.com//

    ResponderExcluir
  24. Valéria
    Um conto de grande beleza que descreveste com detalhes que me prenderam. Casa grande sempre guardam mistérios, segredos que aguçam a curiosidade , como na minha infancia.

    Beijos.

    ResponderExcluir

Gostei de sua visita, volte sempre!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...