Páginas

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

VIVENDO O PARADIGMA DO MENOS RUIM

 

Imagem do Google
 
               Não sei se vocês andam percebendo que hoje em dia cada vez mais estamos pautando nossas opções sob o referencial do “menos ruim”. Em todas as esferas sociais, onde se faz necessário escolher, eis que surgem as mais fracas opções. Não é por estarmos em um momento político, mas também por isso, que estou falando sobre o tema, pois vemos no esporte, nas enquetes as mais variadas, as opções mais esdrúxulas possíveis, resultado de uma grande falta de criatividade e de opções mesmo. E então escutamos o tempo todo as pessoas dizendo que escolheram o “menos ruim”.  É lastimável isso! E até quando vamos ter que escolher o “menos ruim”? Por que não existe um compromisso pelo bom, pelo bonito, pela opção mais consciente e verdadeira realmente? Precisamos construir um novo paradigma que norteie valores mais verossímeis na sociedade de maneira geral em que se pense o todo e não fragmentações meramente aceitáveis de nossos valores.
                Embora “menos ruim” possa significar em um discurso as avessas o melhor, na nossa realidade significa que estamos sem referencial do que seja realmente o melhor na acepção real da palavra. Estamos buscando uma forma de enganar os nossos instintos ou nossa razão de que estamos fazendo a melhor escolha, mas ledo engano! Afinal se nenhuma das opções merecem nossa escolha estamos com um sério problema!
                Um excelente final de semana para todos!

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

APRENDENDO COM A VIDA

 
 
 
Imagem do Google
 
Na vida sou uma simples aprendiz
E sei que cada um de nós tem suas lições a aprender.
A vida é sábia
E através de seus mistérios nos ensina.
Na sua efemeridade nos alerta a não deixá-la passar despercebida.
É um espetáculo com muitos palcos
E com muitos atores interpretando seus papéis.
Nunca nos permite ensaios
Mas nos permite aprendermos com os nossos erros.
E assim vejo serem escritas minhas lições
E eu vou aprendendo com a vida.
Que podemos não ter influência sobre o que nos acontece
Mas podemos aprender a controlar nossas reações.
Que não devemos desistir de nossos sonhos quando falham
Mas podemos aprender que nem tudo acontece na primeira tentativa.
Que não devemos nos fechar a novos desafios
Mas podemos aprender que a vida só dá asas para quem nada teme.
Pois estamos na vida para aprender com as pessoas, com as perdas, as conquistas,
E com as coisas simples
Pois estamos aqui para aprender com os sinais, os tons, os sons da vida.
Por isso abra o coração para o que a vida tem para lhe dar de melhor
E...  Agradeça sempre!
 
Valéria
Um alegre final de semana para todos vocês!

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

NOITES DE CÉU ESTRELADO

 
 
Imagem do Google
                                                                      
              Quando a lua faz o céu prateado e mesmo com a poluição que nos impede de ver toda a sua beleza ainda assim conseguimos ver algumas tímidas estrelas que clareiam a noite, sinto um desejo de voltar no tempo quando lembro as noites que vivi lá no meu tempo de criança.
               Eram noites de céu estrelado, de vagalumes brincando de esconde-esconde, um tempo sem violência, sem corre-corre, sem televisão para dispersar as famílias e só assim podíamos trazer as cadeiras para as calçadas e conversar animadamente com os vizinhos. As crianças participavam daquelas conversas animadas em que eram contadas muitas estórias e muitas vezes se brincava de adivinhação e de outros passatempos. Estas lembranças povoam minha memória como testemunhos de um tempo em que a simplicidade dava o tom da vida, são memórias adormecidas que o tempo teima em embaçar, como a luz embota uma foto antiga, mas que mesmo assim pequenas experiências sensitivas como um céu de lua clara e estrelas, um cheiro de charuto que meu avô fumava, o som de algumas músicas daquela época me faz voltar para trás o olhar, reviver estes doces momentos e lamentar como tudo mudou tão radicalmente. No entanto, a criança que há em mim ainda tem esperança...

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

PARTES DE MIM

 
 
Imagem do Google
 
Sei que existe em mim
Partes de mim
Partes que me completam
Sou cada parte e amo mais as que não me objetam.
 
O que amei e vivi faz parte de um todo
Nas partes em constante mudança
E também naquelas que são as mesmas
E que me definem em seus paradoxos
 
Emoção e razão fazem parte de mim
Sou fragilidade, sou fortaleza,
Sou certeza, sou dúvida,
Sou loucura, sou sensatez,
Partes antagônicas e que se complementam, talvez.
 
Partes de quem sou estão perdidas em mim
Mas uma parte de mim está em você
Preciso dela para viver
Você é a minha melhor parte
E só o seu amor me completa com arte.
 
Valéria
 
Uma excelente semana para todos!

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

FUGAZ EXISTIR

 
 
Imagem do Google
 
Como estrela cadente
Fugaz lá no céu
Em um instante indefinido
Assim é a vida.
Onde tudo passa e deixa apenas vestígios de sua existência.
Um breve momento, uma leve brisa
E como toda realidade sensível, fugaz.
Mal dá tempo de senti-la.
Fugaz existir, viagem indefinível, dinâmica
Que mais parece o revoar de uma pena
Que resistindo às intempéries
Vai sem rumo e sem saber até quando.
Só incertezas...
Então louvemos as flores que mesmo
Na ilusão de um breve tempo sabem se fazer tão belas!
 
Valéria

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

AS VOLTAS QUE A VIDA DÁ

Imagem do Google
 
A vida nos prega surpresas
Em suas voltas
Confusas, incompreensíveis
Percalços do caminho.
Vazios.
São reviravoltas
Em roda gigante ou carrossel
Vezes nos tira, vezes nos dá
Com a possibilidade de nos reinventarmos a cada dia.
Desafios.
Paro, reflito, questiono
Este ir e vir de possibilidades
De ambiguidades
Tessituras da vida.
Viver transitório, efêmero.
Tudo muda, tudo passa
E o maior erro é ignorar as estações da vida
Nas voltas que a vida dá.
 

Valéria

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

EU E MEUS EUS

 
Imagem do Google
 
No encontro do que sou
Eu entre tantos eus.
Eu mulher, eu mãe, eu esposa, eu
Estão em tudo que sou, estão em tudo que faço.
Faço muitas perguntas, encontro poucas respostas
Descobertas e mistérios.
Ora me perco entre meus eus
E me percorro no escuro.
Meus eus se debatem em conflito
Eterno desatino.
Aí reside meu grande desafio
Encontrar-me nesta diversidade
Flexíveis, mutáveis, bipolares.
A soma das partes buscando sintonia
Reconheço-me em cada um deles.
Neste labirinto desnudo-me
Nada mais sou, do que eu e meus eus.
 
Valéria
 
 
Uma linda semana para todos!

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

O DIA DA PÁTRIA

 
Imagem do Google
               Quem foi jovem e frequentou a escola nos anos 70 em plena ditadura vivenciou a rotina de ideais nacionalistas em que muito se reverenciavam os símbolos nacionais. Todas as datas cívicas eram cercadas de cerimônias e muito respeito. Nas escolas aprendíamos nas aulas de educação moral e cívica todos os hinos que deveriam estar sempre na ponta da língua em todas as datas comemorativas, hasteava-se a bandeira, faziam-se trabalhos e mais trabalhos enaltecendo a pátria e íamos cada vez mais sendo forjados no ideário de uma sociedade cívica e moral, ou melhor, a nos adaptarmos a nova ordem.
               Entre estes exercícios de civismo o mais impregnado de simbologia era a comemoração do dia 7 de setembro. Os dias que antecediam esta data tão festejada era de muito trabalho. As escolas organizavam seus desfiles e cada uma queria fazer mais bonito. Era um dia especial, um dia de festa. As ruas se enchiam de gente com bandeirinhas para torcer pela escola preferida e dar o seu testemunho de amor à pátria.
               Para mim, os dias que antecediam o grande desfile já era o início de um grande martírio. Por ser muito tímida sentia um desejo imenso de ser invisível naqueles dias. Ouvir os sons ritmados do tambor, com aquela paradinha clássica ritmada pelo trá-tá-pum, trá-tá-pum, trá-tá-pum, tum, tum, tum era uma tortura. A razão é que eu não sabia marchar. Meu corpo magro e desengonçado de início da adolescência não me obedecia e nem entrava na cadência ritmada do tambor, aliás, nunca entrou. Se nos ensaios as coisas já eram complicadas, com as professoras tentando me fazer entrar no ritmo, no dia D a minha ansiedade chegava ao seu limiar e na minha cabeça como era difícil cumprir este exercício de patriotismo. Vestidas em traje de gala saíamos pelas ruas da cidade até o lugar destinado, uma espécie de concentração onde ficávamos esperando a nossa vez de desfilar, eram horas e horas de espera sob um sol que castigava, até chegar a tão esperada hora de passar diante do palanque das autoridades e prestar o nosso exemplo de civismo. E eu, eu ficava lá insegura, perfilada em meio a tantas outras tentando inutilmente entrar no passo, era o medo de ser vista errando naquele momento tão esperado. Nossa, era muita responsabilidade! E assim foi a cada ano de minha vida escolar.
              Tenham todos um bom feriado e um excelente final de semana!

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

VENTOS DA PRIMAVERA

 
 
Imagem do Google
 
E setembro chegou no rastro do vento primaveril
Para a estação de sol brilhante e alegria
De vibrantes cores em forma de flores
Que desabrocham em demasia.
De folhas que bailam ao vento
De orvalhos em forma de gotículas de vida
Onde jardins perfumados são o paraíso
Dos pássaros que gorjeiam felizes com tanta flor colorida.
A natureza está exultante e formosa
Ela está em festa e se veste e perfuma de flores
Renova-se, nos renova.
Vem primavera, deixa tudo mais bonito
Vou abrir os braços para recebê-la.
Respirar sua alegria
Deixar-me tocar por suas mãos perfumadas
Deixar-me encantar por sua gentileza
E também renascer.
 
Valéria

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

ENTARDECER

 
Imagem do Google
 
Cai a tarde...
O sol se põe e uma nostalgia me invade
Os pássaros voam barulhentos em direção aos seus ninhos
O vento entoa uma canção melancólica
O azul dá lugar ao multicolorido dos últimos raios do sol
Fragmentos deste cenário crepuscular avermelhado
Vejo o sol desaparecer.
A natureza protagoniza um espetáculo
A lua pálida lá no céu timidamente se mostra
E faz sorrir as primeiras estrelas
É o sábio movimento que nos faz viver mais um dia
Momento mágico, fim da labuta
Na pressa vejo semblantes incaracterísticos
Que se esquecem ou não têm tempo de contemplar a paisagem
Um tempo real e ao mesmo tempo irreal povoa o meu imaginário
Há um entardecer em mim
E que ele não me faça perder o encantamento
Nada mais lindo que o céu ao entardecer!
 
Valéria
 
Uma semana abençoada para todos!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...