Pular para o conteúdo principal

NOITES DE CÉU ESTRELADO

 
 
Imagem do Google
                                                                      
              Quando a lua faz o céu prateado e mesmo com a poluição que nos impede de ver toda a sua beleza ainda assim conseguimos ver algumas tímidas estrelas que clareiam a noite, sinto um desejo de voltar no tempo quando lembro as noites que vivi lá no meu tempo de criança.
               Eram noites de céu estrelado, de vagalumes brincando de esconde-esconde, um tempo sem violência, sem corre-corre, sem televisão para dispersar as famílias e só assim podíamos trazer as cadeiras para as calçadas e conversar animadamente com os vizinhos. As crianças participavam daquelas conversas animadas em que eram contadas muitas estórias e muitas vezes se brincava de adivinhação e de outros passatempos. Estas lembranças povoam minha memória como testemunhos de um tempo em que a simplicidade dava o tom da vida, são memórias adormecidas que o tempo teima em embaçar, como a luz embota uma foto antiga, mas que mesmo assim pequenas experiências sensitivas como um céu de lua clara e estrelas, um cheiro de charuto que meu avô fumava, o som de algumas músicas daquela época me faz voltar para trás o olhar, reviver estes doces momentos e lamentar como tudo mudou tão radicalmente. No entanto, a criança que há em mim ainda tem esperança...

Comentários

  1. Que lindas lembranças.
    Fizeste com que eu também voltasse no tempo.
    Coisa boa é ter memória e sensibilidade para mergulhar nas doces lembranças.
    Parabéns Val.
    Beijos, querida.

    ResponderExcluir
  2. Valéria,
    que lindas lembranças!!!
    Também trago boas recordações da minha infância sobre os céus estrelados.
    Principalmente da época em ia para a fazenda dos meus tios. Eu adorava dormir no quarto da cama de casal só para a janela ficar aberta e eu poder ficar olhando o céu... Bons tempos!!!

    Abraços,
    Carol
    www.umblogsimples.com

    ResponderExcluir
  3. Essas noites assim são lindas e as de antes, com pirilampos, poucas luzes pra deixar ver apenas a lua e estrelas,eram maravilhosas.

    Doces lembranças... Lindo aqui, Valéria! SeMPRE inspirações que nos tocam! beijos,lindo dia, obrigadão SEMPRE! chica

    ResponderExcluir
  4. Cadeiras na calçada..que saudade,cheiro de avó ,lavanda...conversa com o vizinho final de tarde
    adorei Val!
    beijos

    ResponderExcluir
  5. É Valéria brinquei na rua com a minha mãe me olhando sentada na calçada, lembro que as portas da minha casa viviam abertas, os colegas chegavam e nem apertavam a campainha,já iam entrando, bons tempos, adorei ler e ir me recordando de um tempo semelhante! Bjoooooss

    ResponderExcluir
  6. O que pode fazer uma sensibilidade?
    Um olhar para o céu em noites de estrelas e toda uma vida passa por um video tape em nossa frente.Bela viagem Valeria aos tempos de feliz idade,onde as estrelas pareciam mais perto,que se pensava toca-las com as mãos.
    Lindas lembranças que nos leva a esta viagem.
    Gostei amiga.
    Um carinhoso abraço da admiração.

    ResponderExcluir
  7. Oi Valéria,
    A crônica está linda. me deu saudade do meu céu estrelado de qdo era criança tb.
    xoxo

    Gosto disto!

    ResponderExcluir
  8. Valeria,tb sou como vc:tenho esperança de dias melhores,de uma volta a valores antigos,olhares mais inocentes!Lindo demais seu texto e relembrei de algumas noites de minha infancia tb!Bjs e meu carinho,

    ResponderExcluir
  9. Olá Valéria
    Lindo texto, despertaram boas lembranças em mim.
    Fui criada em fazenda aonde morei até os 19 anos, as noites eram soberbas, as estrelas tinham um brilho muito mais bonito, energia elétrica só mesmo nas casas, não havia iluminação em postes.
    Uma volta ao passado acho meio difícil, o que fica mesmo são só as boas lembranças.
    Beijo

    ResponderExcluir
  10. Costumo pensar nisso ao olhar as crianças da família. Não passarão por essas experiências inesquecíveis, onde a simplicidade reinava e dávamos asas à imaginação. Talvez nem olhem o céu!!!! Bjs.

    ResponderExcluir
  11. Oi, querida Valéria!
    Esse seu depoimento sobre o tempo me deixou saudosa!
    Somos desse tempo gostoso, de tempo que passava lento, sem correrias, de ter tempo de saborear, cheirar, ouvir cantar e contar.
    Meu Deus! Como explicarei para os meus netos como era a infância no meu tempo?
    Se a sua criança tem esperança, a minha também tem que ter!
    Bjsssssssssssssss, quérida e obrigada pelas lembranças ressuscitadas!

    ResponderExcluir
  12. Ah, Valéria, vc me levou de volta aquele tempo da meninice, das cadeiras e das conversas na calçada sob o luar e os olhos atentos dos adultos, das famílias e amigos reunidos trocando ditos, receitas e muitos risos.
    Minha saudade é a mesma tua.
    Bjos,
    Calu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda peguei esse pedaço onde podíamos brincar na rua, ficar à noite vendo as estrelas, escutar histórias dos mais velhos e brincar, brincar, brincar....
      Que pena que tudo mudou mesmo....

      Beijos, boa quinta!

      Excluir
  13. Que delicia de texto e de lembrancas...

    Nao da pra fazer o passado voltar, mas o ceu sempre continuara brilhando p quem souber apreciar :)

    Beijao, Ju

    ResponderExcluir
  14. Oi Valéria,
    seu texto é a minha história. Infância de rua de terra para brincar, sujar e se alegrar. Vizinhos que se achegavam, sentavam na calçada contavam causos e nós, as crianças, brincado até tarde nas noites quentes. Férias, passávamos na fazenda do meu avô no interior de Minas. Juntávamos aos primos e dá-lhe brincadeiras. Quanta saudade!
    Que prazer relembrar!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  15. Valéria,
    voltei para agradecer seus votos de feliz aniversário e carinho de sempre lá no blog. Obrigada, amiga!
    Eu dei umas mexidinhas no blog sim. Sempre tenho uns comichões e quero mudar algo. Nem sempre fica bom mas continuo mexendo.
    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  16. Não tem coisa melhor que admirar
    um céu cheio de estrelas.

    Bjus

    ResponderExcluir
  17. Também tenho esta nostalgia, inclusiove ontem falamos um pouco sobre isto lá no Ponto de encontro.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  18. Tive uma decepção agora!! Eu jurava que Natal tinha o céu azul como o mar! Mesmo assim, remeti-me ao tempo de criança, das conversas das comadres, das crianças correndo pela rua... e dormir com dor na perna de tanto brincar. E, apagar em sonhos!! Essa criança que vive em nós é que nos faz ter esperanças. Preserve-a!! Beijus,

    ResponderExcluir
  19. Não é só você que tem saudades desse tempo não minha amiga, eu também sinto uma vontade imensa de voltar no tempo e viver assim, sem ter que me preocupar com nada, sendo uma eterna criança que só vive o hoje, sem pensar no amanhã...

    Boa noite,
    Meu abraço

    ResponderExcluir
  20. Valéria

    Que linda lembrança. Você me fez voltar ao tempo. E era assim também. Sentados nas calçadas e bancos feitos pelas próprias famílias. As Comadres contavam histórias para todos ( eu, meus irmãos e as crianças dos vizinhos) e quando faziam fogueira nos dias de festas juninas então.Que alegria imensa. E não volta mais. Só ficou na saudade.

    Beijos.

    ResponderExcluir

  21. Valéria querida,

    Você me transportou à minha infância. Éramos felizes e não sabíamos. Bons tempos! Pena que as crianças de hoje vivem aprisionadas em casa ou ligadas aos eletrônicos.

    Beijão.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostei de sua visita, volte sempre!

Postagens mais visitadas

COMO EU ME VEJO, COMO VOCÊ ME VÊ, COMO EU PENSO QUE VOCÊ ME VÊ... E COMO EU REALMENTE SOU!

Abrindo um parêntese no blog onde a proposta é só escrever sobre coisas boas e belas, do que realmente eu gosto, hoje venho fazer considerações não tão simpáticas, é, não só de coisas boas é formada a vida... Então...           Assim diz Clarice Lispector, sou como você me vê... Será? Tem alguns dias que ficamos perplexos em descobrir uma faceta até então desconhecida para todos de uma pessoa conhecida. De inicio ficamos perplexos, passado o susto inicial passamos a tentar decodificar sinais indicadores de tão triste passagem. Muitas vezes falamos com tanta propriedade sobre nós mesmos que demonstramos para os outros e para nós memos que conhecemos tudo o que somos, e de repente, bum! algo acontece, e como num surto aquilo que estava latente surge para quebrar a máscara, o disfarce. E fica a pergunta, mas como nunca percebemos isso?!          Para Carl Rogers, somos o que somos, e não aquilo que devemos ser...Será? É muito importante a percepção que temos de nós mesmos, a percepção…

UM NOVO ANO

Imagem do Google  Folheio o livro Com cheiro de novo E com páginas em branco Onde escreverei com letras douradas E forjarei cada presente de meu futuro. Nele um novo recomeço Um tempo de renovação. De reinventar-se De transformar sonhos em realidade. É um novo ano que se inicia E por um breve momento Todos os corações em sintonia Darão boas vindas a ele. Um novo tempo que nos traz esperança em dias melhores. Por isso acreditemos nas novas possibilidades... E sejamos felizes! Valéria Um ano novo abençoado para todos nós!

MAIS UMA VEZ AVÓ!

Quase um mês! Eu parei no tempo, mas ele continuou a passar fazendo acontecer muitas coisas boas e outras nem tanto. Estou atrasada com minhas leituras dos blogs amigos, a quem peço desculpas, mas aos poucos retomarei a vidinha na blogosfera.             Para me fazer sair um pouco do marasmo em que estava vi parte de mim renascer com o nascimento de meu terceiro neto dia 18/10. Vinícius nasceu para junto com sua irmãzinha completar a família do meu primogênito. É sempre uma dádiva ver acontecer o milagre da vida e é impossível não se emocionar quando se olha para aquele ser tão pequenino, tão frágil e tão lindo. Toda a felicidade do mundo para Vinícius!