Pular para o conteúdo principal

O ENCONTRO

 
Imagem do Google
 
                O sol deixava a paisagem avermelhada e ia aos poucos caindo por trás da colina. De onde ela estava vislumbrava a pequena cidade que visitava anualmente e que era cercada por muralhas e por sete pequenas torres na região mais alta. Os campos verdes da planície cobertos de gramíneas com suas florezinhas delicadas lhe emprestavam um ar bucólico de grande beleza graças aos raios do sol que ia pouco a pouco se dissipando e mudando o colorido da paisagem.
                Ela caminhou a passos largos para lá chegar ainda com o claro do sol. Fazia questão de descer do ônibus bem antes só para fazer esta caminhada e estimular os seus sentidos com aquele presente da natureza. Conhecia todas as ruazinhas daquela cidade e imaginava o prazer de voltar a percorrê-las e perder-se nelas. Ali ela se sentia em casa e a emoção percorria lhe o corpo ainda depois de tanto tempo. Recordou em breve instante o dia que dali partiu triste e desesperançosa. Sabia que as recordações iam tomar lugar no seu coração, mas continuou a caminhar. Chegou sob os arcos da cidade e parou movida pela ansiedade que a dominava.
              A caminhada desde onde o ônibus a deixara até ali não era tão curta, cansaço e aflição se misturavam. Caminhou pela estreita rua que a levou até o centro da pequena cidade e lá parou para observar aquele cenário que continuava o mesmo há muitos séculos, nada mudava apenas algumas pessoas e suas histórias. Naquele espaço amplo chamado de praça entre tantas construções havia um hotel. Dirigiu-se para lá e logo em seguida se instalou no quarto com vista para a praça.
              Havia urgência, deixou a mala sobre o banco aos pés da cama, olhou-se no espelho, ajeitou o cabelo e saiu. Percorreu várias ruas já suas conhecidas, umas estreitas, outras nem tanto e pouco a pouco via ficar mais próxima aquela linda torre de pedras já escuras pelo tempo. Era a mais alta entre as sete que havia na cidade. Subiu os degraus em espiral quase a perder o fôlego. Este era um ritual que seguia há três anos na esperança sempre de encontrar o seu grande amor. Haviam vivido ali naquela cidade uma linda história de amor e aquela torre era a presença física das muitas juras e sonhos para o futuro. Ali eles eram só um com o mundo aos seus pés, uma paisagem romântica, apaixonante, como em um conto fadas. Com o término das férias uma despedida com promessas de um próximo encontro dali a um ano. Já se passaram três anos, mas a chama permanecia acesa em seu coração e a cada degrau crescia a esperança daquele adiado encontro. Havia imaginado milhões de vezes a cena perfeita daquele encontro e de repente ela estava ali diante dele e sem palavras, sem ação. Olhou-o sem acreditar que o amor houvesse sobrevivido a tantos anos de espera.
                Ele sorriu, o mundo ficou cheio de cor naquele entardecer daquele cenário medieval, lhe abriu os abraços e ela ali se aconchegou desejando que o tempo parasse, calasse todas as perguntas que gritavam em seu íntimo para poder finalmente sentir aquele momento em toda a sua plenitude.
                Um lindo final de semana para todos!

Comentários

  1. Arrepiei até.Lindo e que bom que o encontro aconteceu!!Isso vale toda a espera dos 3 anos... Muito legal!! beijos,tudo de bom,chica e lindo fds!Adoro te ler!

    ResponderExcluir
  2. Bom dia,Valéria!

    Ah!!Tão intenso!Quantas emoções!!
    Um belíssimo encontro de amor!
    Beijos e meu carinho,minha amiga!

    ResponderExcluir
  3. Tem uma TAG pra você lá no blog.
    Beijo!
    Marcilane - http://simplesinspiracoes.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Valéria, mergulhei nesse seu texto, perfeita descrição dos detalhes.

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Caminhos pelas rotas da cidade e da emoção quardada.

    bjs.
    Bom domingo

    ResponderExcluir
  6. Passando para dizer que tem um selinho pra você lá no blog... http://simplesinspiracoes.blogspot.com ;)

    ResponderExcluir
  7. Oi, Valéria querida....

    Que delícia ler esse conto... a viaja junto, anda junto, sorri junto e depois fica imaginando o que teria acontecido...
    Lindo!

    Um ótimo finalzinho de domingo, beijos

    ResponderExcluir
  8. Não desistir de seus sonhos, acreditar que são possíveis,faz nascerem asas n'alma.
    Um conto cheio de doçura e sentimento que acalanta o coração.Muito lindo, Val.
    Ótima semana p/vc.
    Bjkas,
    Calu

    ResponderExcluir
  9. Linda e emocionante criatividade.A volta ao que se pensara perdido,para viver um lindo caso de amor.Quem procura acha os passos perdidos no tempo.
    Gostei muito Valeria.
    Bela construção.
    Carinhoso abraço.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostei de sua visita, volte sempre!

Postagens mais visitadas

COMO EU ME VEJO, COMO VOCÊ ME VÊ, COMO EU PENSO QUE VOCÊ ME VÊ... E COMO EU REALMENTE SOU!

Abrindo um parêntese no blog onde a proposta é só escrever sobre coisas boas e belas, do que realmente eu gosto, hoje venho fazer considerações não tão simpáticas, é, não só de coisas boas é formada a vida... Então...           Assim diz Clarice Lispector, sou como você me vê... Será? Tem alguns dias que ficamos perplexos em descobrir uma faceta até então desconhecida para todos de uma pessoa conhecida. De inicio ficamos perplexos, passado o susto inicial passamos a tentar decodificar sinais indicadores de tão triste passagem. Muitas vezes falamos com tanta propriedade sobre nós mesmos que demonstramos para os outros e para nós memos que conhecemos tudo o que somos, e de repente, bum! algo acontece, e como num surto aquilo que estava latente surge para quebrar a máscara, o disfarce. E fica a pergunta, mas como nunca percebemos isso?!          Para Carl Rogers, somos o que somos, e não aquilo que devemos ser...Será? É muito importante a percepção que temos de nós mesmos, a percepção…

UM NOVO ANO

Imagem do Google  Folheio o livro Com cheiro de novo E com páginas em branco Onde escreverei com letras douradas E forjarei cada presente de meu futuro. Nele um novo recomeço Um tempo de renovação. De reinventar-se De transformar sonhos em realidade. É um novo ano que se inicia E por um breve momento Todos os corações em sintonia Darão boas vindas a ele. Um novo tempo que nos traz esperança em dias melhores. Por isso acreditemos nas novas possibilidades... E sejamos felizes! Valéria Um ano novo abençoado para todos nós!

MAIS UMA VEZ AVÓ!

Quase um mês! Eu parei no tempo, mas ele continuou a passar fazendo acontecer muitas coisas boas e outras nem tanto. Estou atrasada com minhas leituras dos blogs amigos, a quem peço desculpas, mas aos poucos retomarei a vidinha na blogosfera.             Para me fazer sair um pouco do marasmo em que estava vi parte de mim renascer com o nascimento de meu terceiro neto dia 18/10. Vinícius nasceu para junto com sua irmãzinha completar a família do meu primogênito. É sempre uma dádiva ver acontecer o milagre da vida e é impossível não se emocionar quando se olha para aquele ser tão pequenino, tão frágil e tão lindo. Toda a felicidade do mundo para Vinícius!