Pular para o conteúdo principal

ESPERANÇA NO AMOR


Imagem do Google
                Ele se virou e contemplou o corpo inerte e desfigurado da mulher sobre aquela cama e não pode deixar de pensar em quando a viu pela primeira vez. Era como se tivesse acontecido no dia anterior. Por trás do balcão da perfumaria vestida com aquela roupa de corte clássico, o cabelo preso no alto da cabeça, pouca maquiagem o seu belo sorriso o cativou no primeiro momento que a viu. Foi ousado em seu cortejo e tirou dela um sorriso tímido, mas mesmo assim iluminado. Logo estavam namorando. Ela o fazia completamente feliz, mas sabia que sua felicidade não duraria muito tempo, bastaria que a sua família colocasse seus olhos sobre ela e percebesse ali uma grande diferença social e foi o que aconteceu quando os pais quiseram conhecê-la depois de um tempo de namoro. Não sabia se tinha agido certo, mas na sua insegurança e afã de mostrar aos pais a sua determinação escolheu aquele encontro para oficializar o noivado e apresentar as respectivas famílias. O jantar estava delicioso, mas muito difícil de engolir, o golpe fez com que seus pais falassem o menos possível tornando o ambiente pesado, constrangedor. Quase só se ouvia o tímido tilintar dos talheres na louça como marcando o compasso de uma triste melodia.

              Depois daquele dia sua vida mudou radicalmente. Seus pais foram irredutíveis e o ameaçaram deserdar e como se manteve firme no seu propósito viu a sua carreira na empresa do pai ir por água abaixo. De repente se viu só. Com o pouco dinheiro que havia economizado providenciou uma simples cerimônia de casamento e saiu de casa em definitivo. Sem dinheiro e sem trabalho começou sua vida de casados esperando que o amor minimizasse a sua tristeza. Ela era tudo que ele tinha, a amava acima de suas forças. Assim foi construindo a sua nova família, de emprego em emprego, trabalhando para dar o melhor aos filhos que foram chegando para lhe dar alegrias.
               Se tudo que viveram até ali não foi fácil para ele, para ela menos ainda. Estava acostumada com as dificuldades e sabia lidar com elas, driblá-las era seu forte, mas junto às dificuldades ainda ver a tristeza no olhar e o abatimento daquele homem bonito e cheio de vida que ela conhecera e despertara nela um grande amor, mas que renunciara a tudo por ela foi pouco a pouco lhe tirando o viço, a alegria de viver.
                Ele não se conformava com toda esta situação, vivia o auge de uma grande crise, gastara suas últimas economias neste tratamento para sua esposa, sua esperança estava ali depositada. Via sua vida por um fio e agora estava sem poder contar com ninguém diante de sua mulher, linda, lívida e que amava tanto, renunciando a vida, se deixando levar pela tristeza, deitada quase sem vida naquela cama de hospital esperando um sopro de vida, uma luz. Agora havia entregado a Deus sua sorte e que Ele tivesse compaixão deles e desse mais uma chance para serem felizes com o amor que tanto os unia. Sempre existia uma esperança!

Comentários

  1. Oi Val....muito bom te ler...sempre ha esperanca..que bom que ela existe!
    Muito obrigada pelo seu carinho! fico muito feliz quando vc me visita.
    Um bj e um dia de paz a vc...

    ResponderExcluir
  2. Olá querida!!
    Muito lindo. O amor é o maior laço que existe.
    Bjus no coração.

    ResponderExcluir
  3. Oi Valéria.
    Adoro ler os seus contos.
    E este triste mas lindamente escrito. Me prendeu. E o verdadeiro amor vence qualquer obstáculo.

    Um bom dia.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Que bom que o amor se fez presente e a esperança os guiaria agora como boa companheira que é!

    Lindo!!beijos,tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  5. Oi Valéria
    Muito triste sua história, merece um final muito feliz depois de tantos obstáculos na vida do casal, o amor deles falou mais alto.
    Esperança é a única coisa que resta aos dois.
    Beijo e bom dia.

    ResponderExcluir
  6. OI, querida Valéria,
    você me deixou sem ter o que dizer, confesso.
    Não esperava esta tristeza toda na história de um amor tão forte que já havia ultrapassado a barreira do preconceito familiar!
    Mas... a vida não é sempre uma festa, né? A ficção tb não tem que ser. Muito bom.
    Bjssssssssssss, quérida!

    ResponderExcluir
  7. Oii Valéria, esse texto daria um texto de novela, vc arrasa na criatividade! Parabéns, tomara que tenha uma segunda parte com final feliz rsrs bjooooss, tem sorteio no Blog!

    ResponderExcluir
  8. Sempre somos inspirados por esta coisa da discriminação/preconceito que tanto mancha a sociedade e que se repete continuamente.
    Uma emocionante historia de amor com todas as mazelas que envolve a vida de cada um.Bela criatividade amiga, a construção perfeita para prender a respiração do leitor.
    Sempre minha admiração com meu terno e carinhoso abraço.

    ResponderExcluir
  9. Olá, querida Valéria
    Sabe, quando adolescente, vivi uma situação semelhante de diferença social... Na época, fiquei triste e foi quando lançaram a música A Pobreza da Lilian e Leno, lembra-se???
    Tive que me consolar com a proibição da mãe... era moça de classe média boa época... Paciência!!!
    Agradeço a sua constante e carinhosa participação na Série Comemorativa do meu Blog pelos seus 3 anos...
    Deus abençoe, ricamente, toda a sua vida!!!
    Bjs festivos de paz

    ResponderExcluir
  10. Oi Valária, vem retribuir a sua visita.
    Estou esperando a continuação da história e espero que seja um final feliz.
    bjk

    ResponderExcluir
  11. Valeria,um conto triste mas muito bonito!Para o amor sempre existe a esperança!bjs e boa quinta!

    ResponderExcluir
  12. mandou bem valeria... juntou as palavras para descrever suas ideias... que lindo ficou. parabens. grande abraço lamarque

    ResponderExcluir
  13. Uma história triste e muito bem contada! O amor faz milagres...mas conseguirá devolver alguém à vida que já pouco lhe diz? A esperança é sempre uma vela acesa!
    beijo
    Graça

    ResponderExcluir
  14. Nem sempre o amor é compreendido. Mas sábios são os que enfrentam os desafios e se entregam a ele. É triste seu conto e nos faz torcer por uma ajuda divina, como se estivesse fora da ficção. As diferenças entre os indivíduos não estão na condição social e cultural, mas na capacidade e grandeza dos sentimentos, na abertura e no respeito. Bjs.

    ResponderExcluir
  15. Oi Valéria,
    É muito triste... assim vc me faz chorar!
    xoxo

    Gosto disto!

    ResponderExcluir
  16. Olá Valéria,

    Ele foi valente e arriscou tudo por amor. Isto é muito lindo, embora a trajetória deles tenha sido bem difícil. Mas mesmo em situação de desalento o amor persistiu. Fiquei aqui na torcida para que os pais dele aparecessem para socorrer o casal. Viu como a gente entra no conto?

    Parabéns!

    Beijo.

    ResponderExcluir
  17. Oi Val!!!

    Seu conto daria belas cenas de cinema, esta história me remeteu a um bom episódio da sétima arte.
    Tenha uma alegre sexta-feira!!!
    Bjs :)

    ResponderExcluir
  18. Olá, querida Valéria
    Passando de novo pra agradecer o seu carinho na Série Comemorativa pelos 3 anos de vida do meu Blog...
    Deus te cubra de bênçãos e te faça feliz!!!
    Bjs festivos de paz

    ResponderExcluir
  19. Sempre há esperança. Eu sempre penso que o roteiro de nossas vidas não nos pertence...apenas somos protagonistas, portanto, devemos ter sempre fé de as coisas possam um dia melhorar...

    Beijos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostei de sua visita, volte sempre!

Postagens mais visitadas

COMO EU ME VEJO, COMO VOCÊ ME VÊ, COMO EU PENSO QUE VOCÊ ME VÊ... E COMO EU REALMENTE SOU!

Abrindo um parêntese no blog onde a proposta é só escrever sobre coisas boas e belas, do que realmente eu gosto, hoje venho fazer considerações não tão simpáticas, é, não só de coisas boas é formada a vida... Então...           Assim diz Clarice Lispector, sou como você me vê... Será? Tem alguns dias que ficamos perplexos em descobrir uma faceta até então desconhecida para todos de uma pessoa conhecida. De inicio ficamos perplexos, passado o susto inicial passamos a tentar decodificar sinais indicadores de tão triste passagem. Muitas vezes falamos com tanta propriedade sobre nós mesmos que demonstramos para os outros e para nós memos que conhecemos tudo o que somos, e de repente, bum! algo acontece, e como num surto aquilo que estava latente surge para quebrar a máscara, o disfarce. E fica a pergunta, mas como nunca percebemos isso?!          Para Carl Rogers, somos o que somos, e não aquilo que devemos ser...Será? É muito importante a percepção que temos de nós mesmos, a percepção…

UM NOVO ANO

Imagem do Google  Folheio o livro Com cheiro de novo E com páginas em branco Onde escreverei com letras douradas E forjarei cada presente de meu futuro. Nele um novo recomeço Um tempo de renovação. De reinventar-se De transformar sonhos em realidade. É um novo ano que se inicia E por um breve momento Todos os corações em sintonia Darão boas vindas a ele. Um novo tempo que nos traz esperança em dias melhores. Por isso acreditemos nas novas possibilidades... E sejamos felizes! Valéria Um ano novo abençoado para todos nós!

MAIS UMA VEZ AVÓ!

Quase um mês! Eu parei no tempo, mas ele continuou a passar fazendo acontecer muitas coisas boas e outras nem tanto. Estou atrasada com minhas leituras dos blogs amigos, a quem peço desculpas, mas aos poucos retomarei a vidinha na blogosfera.             Para me fazer sair um pouco do marasmo em que estava vi parte de mim renascer com o nascimento de meu terceiro neto dia 18/10. Vinícius nasceu para junto com sua irmãzinha completar a família do meu primogênito. É sempre uma dádiva ver acontecer o milagre da vida e é impossível não se emocionar quando se olha para aquele ser tão pequenino, tão frágil e tão lindo. Toda a felicidade do mundo para Vinícius!