Pular para o conteúdo principal

ADÉLIA PRADO - QUANTO JEITO QUE HÁ DE AMAR

        
         Um tempo atrás uma amiga me enviou um e-mail com um poema belíssimo de Adélia Prado “Quanto jeito que tem de ter amor”, indagada depois quanto à origem do poema, de qual livro ele era, pesquisei, mas não soube responder. Quem souber me tire essa dúvida, mas independente de quem seja o autor, é de muita sensibilidade e sabedoria, afinal muitas vezes desperdiçamos pequenos gestos do dia-a-dia ricos em significado, que nada mais são do que pequenas demonstrações de amor. O poema é um convite para observarmos as mínimas coisas, simples atos que dizem muito, pois afinal não temos como definir todos os jeitos de amar, eles são infinitos...E cada um ama a sua maneira...


       “Meu Deus, quanto jeito que tem de ter amor"

                                Adélia Prado

Uma personagem põe-se a lembrar da mãe, que era danada de braba, mas esmerava-se na hora de fazer dois molhos de cachinhos no cabelo da filha, para que ela fosse bonita pra escola.

Meu Deus, quanto jeito que tem de ter amor.
É comovente porque é algo que a gente esquece: milhões de pequenos gestos são maneiras de amar. Beijos e abraços são provas mais eloqüentes, exigem retribuição física, são facilidades do corpo. Porém, há outras demonstrações mais sutis: Mexer no cabelo, pentear os cabelos, tal como aquela mãe e aquela filha, tal como namorados fazem, tal como tanta gente faz: cafunés. Amigas colorindo o cabelo da outra, cortando franjas, puxando rabos de cavalo, rindo soltas.

Quanto jeito que há de amar.

Flores colhidas na calçada, flores compradas, flores feitas de papel, desenhadas, entregues em datas nada especiais: "lembrei de você".
É este o único e melhor motivo para azaléias, margaridas, violetinhas.

Quanto jeito que há de amar.

Um telefonema pra saber da saúde, uma oferta de carona, um elogio, um livro emprestado, uma carta respondida, uma mensagem pelo celular, repartir o que se tem, cuidados para não magoar, dizer a verdade quando ela é salutar, e mentir, sim, com carinho, se for para evitar feridas e dores desnecessárias.

Quanto jeito que há de amar.

Uma foto mantida ao alcance dos olhos, uma lembrança bem guardada, fazer o prato predileto de alguém e botar uma mesa bonita, levar o cachorro pra passear, chamar pra ver a lua, dar banho em quem não consegue fazê-lo só, ouvir os velhos, ouvir as crianças, ouvir os amigos, ouvir os parentes, ouvir...

Quanto jeito que há de amar.
Rezar por alguém, vestir roupa nova pra homenagear, trocar curativos, tirar pra dançar, não espalhar segredos, puxar o cobertor caído, cobrir, visitar doentes, velar, sugerir cidades, filmes, cds, brinquedos, brincar...

Quanto jeito que há.

Comentários

  1. que gatinho mais foto esse da foto! obrigada pela visita no blog. beijao querida!

    ResponderExcluir
  2. Oi, Valéria.
    Com tanto e-mail que circula atribuindo a outros uma autoria, não posso lhe dizer se este seria da Adélia Prado. Mas tem jeito de ser. Engraçado que sou fã mas nunca li um livro dela, leio as poesias que aparecem publicadas em jornais e revista, eventualmente.
    Vou me redimir e comprar. Se achar o texto como dela, lhe conto.
    É belíssimo e amar é isso, dar-nos em pequenos gestos, mas significativos.
    Bom fim de semana!

    ResponderExcluir
  3. Oi Cintia!
    Amei essa foto, linda!
    Torci e torço para que tudo desse certo!

    ResponderExcluir
  4. Oi Lúcia!
    É uma preocupação hoje em dia, tenho até medo!
    Acho que é mesmo da Adélia, bem o estilo dela, amor, cotidiano, simplicidade, palavras que expressam sentimento...

    ResponderExcluir
  5. tenho nos meus guardados esse texto belíssimo. de vez em quando o leio é bom demais. bom final de semana

    ResponderExcluir
  6. Oi, Valeríssima!!!
    Mais um post fantástico, viu!!! Adoro a Adélia Prado, tenho 2 livros dela, mas não conhecia esse texto. Òtima escolha para nos fazer pensar, lembrar e até identificar como são inúmeras as formas de amar.
    Beijão.
    Patrícia.

    ResponderExcluir
  7. Oi Welze!
    Faz tempo que recebi, estava nos meus guardados também, senti que poderia compartilhar, acho lindo!

    ResponderExcluir
  8. Oi Paty!
    Esse diz tudo, não? Como falei no post tenho dúvidas quanto a autoria, espero que seja dela, é um texto de escrita simples, mas que expressa toda a pureza do sentimento.

    ResponderExcluir
  9. Valéria o texto é magnífico, quantas dicas para se amar e como é tão fácil, por que será que precisamos ler essas coisas para acordar?

    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Lendo o texto, que é lindo e perfeito, pensei em como as pessoas estão distantes destas formas delicadas de amor, distribuindo gentilezas, cuidando e zelando pelos outros...
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Valéria,

    Essa sua postagem me lembrou o que vivi hoje. Foi bem isso... Minha sobrinha de 5 aninhos estava em casa com minha irmã (a mãe dela). No meio da manhã, a mãe lembrou-se que era aniversário da filha (ela completava os tais 5 aninhos)e ficou sem saber o que fazer (chocada com o esquecimento...). Eu, imediatamente, comecei a bater um bolo. Depois do almoço, coloquei cinco velinhas brancas em cima do bolo de nozes com cobertura de goiabada e a criança feliz, gritava e aplaudia e dizia: eu amo todos vocês! rsrsrs

    ResponderExcluir
  12. Oi Néia!
    Acho que estamos nos preocupando com coisas de dimensões maiores, além de nós, de ordem prática e deixando passar despercebidos as pequenas demonstrações de afeto, esses pequenos sinais vitais.Vamos acordar!

    Oi Jeanne!
    No corre-corre esquecemos desses pequenos gestos de grandes significados, que para uns é um alento, para outros aquela regazinha que alimenta e mantem as relações e para outros ainda verdadeiras declarações de amor. Como são preciosos esses momentos!


    Oi Josafá!
    Que bonito isso! Está vendo, com pequenas atitudes fazemos o outro feliz, simples assim, um bolo, uma lembrança e um sorriso puro que nos enche de prazer, uma alegria contagiante para quem dá e recebe. Parabéns!

    ResponderExcluir
  13. Oi Valéria,
    Não conheicia! É lindo e verdadeiro.
    Postando aqu, foi a sua maneira de amar a todos nós que frequentamos o seu espaço.
    Bjkas e uma semana maravilhosa para vc.

    http://gostodistonew.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  14. Oi Betty!
    Obrigada, é mesmo de muita beleza e simplicidade!

    ResponderExcluir
  15. Oi Valéria querida.
    Uma vez uma amiga disse:
    Sempre que alguém lhe der uma coisa, qualquer coisa, seja uma bala ou uma flor roubada, fique feliz. Significa que a pessoa gosta de você. Ninguém dá nada de graça sem gostar.

    Claro que pode não ser amor, mas concordo que existem sim várias maneiras de demonstrar tanto o amor quanto um simples gostar.

    Amei o post!
    Bjs e obrigada pelos parabéns pelo meu aniversário de casamento.

    ResponderExcluir
  16. Oi Ana!
    Só hoje melhorei de uma crise de labirintite que me deixa fora do ar.
    É, esse é um texto para se ter guardado e dar uma lidinha de tempos em tempos para refrescar a memória aturdida pelo dia-a-dia. Esquecemos muitas vezes de simples gestos de amor.

    ResponderExcluir
  17. Oi Flávia!
    Que a cada ano, que sejam muitos, o amor de vocês seja confirmado e sempre recheado de pequenos gestos diariamente, sempre...
    Existe coisa melhor que um carinho em forma de uma simples flor, um cartãozinho? Muitas vezes precisamos de tão pouco...

    ResponderExcluir
  18. Esse lindo texto na verdade é de Matha Medeiros do livro Montanha Russa , crônica intitulada como Jeitos de amar . Nessa crônica ela cita uma frase do livro de Adélia Prado intitulado Prosa Reunida.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostei de sua visita, volte sempre!

Postagens mais visitadas

COMO EU ME VEJO, COMO VOCÊ ME VÊ, COMO EU PENSO QUE VOCÊ ME VÊ... E COMO EU REALMENTE SOU!

Abrindo um parêntese no blog onde a proposta é só escrever sobre coisas boas e belas, do que realmente eu gosto, hoje venho fazer considerações não tão simpáticas, é, não só de coisas boas é formada a vida... Então...           Assim diz Clarice Lispector, sou como você me vê... Será? Tem alguns dias que ficamos perplexos em descobrir uma faceta até então desconhecida para todos de uma pessoa conhecida. De inicio ficamos perplexos, passado o susto inicial passamos a tentar decodificar sinais indicadores de tão triste passagem. Muitas vezes falamos com tanta propriedade sobre nós mesmos que demonstramos para os outros e para nós memos que conhecemos tudo o que somos, e de repente, bum! algo acontece, e como num surto aquilo que estava latente surge para quebrar a máscara, o disfarce. E fica a pergunta, mas como nunca percebemos isso?!          Para Carl Rogers, somos o que somos, e não aquilo que devemos ser...Será? É muito importante a percepção que temos de nós mesmos, a percepção…

UM NOVO ANO

Imagem do Google  Folheio o livro Com cheiro de novo E com páginas em branco Onde escreverei com letras douradas E forjarei cada presente de meu futuro. Nele um novo recomeço Um tempo de renovação. De reinventar-se De transformar sonhos em realidade. É um novo ano que se inicia E por um breve momento Todos os corações em sintonia Darão boas vindas a ele. Um novo tempo que nos traz esperança em dias melhores. Por isso acreditemos nas novas possibilidades... E sejamos felizes! Valéria Um ano novo abençoado para todos nós!

MAIS UMA VEZ AVÓ!

Quase um mês! Eu parei no tempo, mas ele continuou a passar fazendo acontecer muitas coisas boas e outras nem tanto. Estou atrasada com minhas leituras dos blogs amigos, a quem peço desculpas, mas aos poucos retomarei a vidinha na blogosfera.             Para me fazer sair um pouco do marasmo em que estava vi parte de mim renascer com o nascimento de meu terceiro neto dia 18/10. Vinícius nasceu para junto com sua irmãzinha completar a família do meu primogênito. É sempre uma dádiva ver acontecer o milagre da vida e é impossível não se emocionar quando se olha para aquele ser tão pequenino, tão frágil e tão lindo. Toda a felicidade do mundo para Vinícius!