Pular para o conteúdo principal

ANDRÉ COMTE-SPONVILLE - A FELICIDADE DESESPERADAMENTE

       
        A busca incessante de viver em um estado de felicidade está em grande parte das pessoas senão em todas elas, mas o que seria felicidade?
        O conceito de felicidade é recorrente na filosofia, o encontramos desde os grandes filósofos gregos atravessando os séculos até o filósofo francês André Comte-Sponville (Paris-1952) resgatar essa discussão em uma conferência transformada em livro A Felicidade, desesperadamente, que aborda o tema do eterno movimento do homem de realizar desejos que teriam o efeito efêmero da felicidade. Ele parte da hipótese que a cada sonho, desejo, a espera de realizá-lo seria em si a busca da felicidade e que culminaria no prazer da aquisição do desejado, do esperado viveríamos então em uma contínua busca do equilíbrio entre desejo e realização. Estaríamos então em busca daquele “momento” de felicidade, que se instalaria por um tempo até novos objetos de desejo, do distante, do inatingível naquele momento, até se tornar possível e proporcionar uma nova alegria imediata. Pensado assim com esse pragmatismo parece óbvio, mas como ele mesmo fala depois, o problema está em não aceitar que a felicidade não é absoluta e que deixando de viver na relatividade da felicidade nunca seremos felizes, nem teremos momentos de alegria. Está também na terrível constatação de que a felicidade também desespera, na angústia por mantê-la perto por mais tempo, pelo prolongamento daquela alegria, daquele prazer, pelo medo de sua finitude...
         O que nos move então? Segundo Sponville é o desejo, “o desejo é a própria essência do homem; mas há três maneiras principais de desejar, três ocorrências principais do desejo: o amor, a vontade, a esperança”. Então para viver de uma maneira mais livre, aberta para a felicidade sem deixar a esperança dentro de nós morrer devemos “aprender a desejar o que depende de nós (isto é, aprender a querer e agir), trata-se de aprender a desejar o que é (isto é, a amar), em vez de desejar sempre o que não é (esperar ou lamentar). Ele continua (...) Aprendam ao contrário a desenvolver sua parte de sabedoria, de potência, como diria Spinoza, em outras palavras, de conhecimento, ação e amor. Não se impeçam de esperar: aprendam a pensar, aprendam a querer um pouco mais e a amar um pouco melhor. (...) Paremos de sonhar nossa vida”. Vamos viver a felicidade desesperadamente, ou seja, sem esperá-la...
         Este livro é inspirador para nós que vivemos em um mundo de valores e sentimentos efêmeros, numa busca constante de não sei o quê, seja pessoa ou bem, de um consumismo sem fim e de relacionamentos fugazes.

"A infelicidade se instala quando nossas alegrias dependem totalmente de circunstâncias externas". Sponville

Comentários

  1. Que texto hein? Não conhecia esse autor. Vou procurá-lo nas minhas andanças às livrarias. Xero

    ResponderExcluir
  2. Oi Pipa!
    Ele é um filósofo de uma escrita bem acessível a nós leigos e que escreve livros belíssimos, esse então é maravilhoso.

    ResponderExcluir
  3. realmente maravilhoso. sou feliz dessa, daquela e de todas as maneiras. simples assim.gostei muito da postagem .um abraço e boa semana

    ResponderExcluir
  4. Oi Welze!
    É verdade, você é o exemplo de quem não espera a felicidade, ela acontece para você...

    ResponderExcluir
  5. O texto inteiro é simplesmente maravilhoso mas aquela frase no final é de uma verdade incontestável:
    "A infelicidade se instala quando nossas alegrias dependem totalmente de circunstâncias externas".

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Oi Néia!
    Esta frase é perfeita e ela infelizmente retrata o vazio em que muitas pessoas vivem. O livro é excelente!

    ResponderExcluir
  7. Esperança...do que seríamos se não a tivessêmos?
    Paz e bem

    ResponderExcluir
  8. Somos o primeiro e principal fundamento de nossa felicidade. De nós mesmos havemos que tirar beleza, para que a possamos, igualmente, encontrá-la fora.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  9. Bom dia,Valéria!!

    Tens razão querida, este texto não recebeu a atenção que merecia!!Vivemos numa época de valores distorcidos, onde para muitos ser feliz é ter muito dinheiro ou fama...o que observando bem, percebemos que nem muito dinheiro nem a fama trazem a felicidade como sonham...
    Ser feliz é um estado de espírito, é saber calorizar cada minuto do dia e ser grata por estar sempre aprendendo, crescendo...vivendo!!!Pra mim isso é ser feliz!!!Poder realizar os sonhos penso ser um bônus...para aquele que persiste.
    Beijos minha linda!!!!

    ResponderExcluir
  10. **é saber VALORIZAR cada minuto do dia...

    Desculpe!!!saiu errado...

    ResponderExcluir
  11. Que maravilhoso esse texto e autor!Lindo! um beijo,tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  12. SEguindo minha trilha dos sete post...sim, realmente este post merecia mais atençao, mais reflexao...é mt interessante!!

    Nana

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostei de sua visita, volte sempre!

Postagens mais visitadas

COMO EU ME VEJO, COMO VOCÊ ME VÊ, COMO EU PENSO QUE VOCÊ ME VÊ... E COMO EU REALMENTE SOU!

Abrindo um parêntese no blog onde a proposta é só escrever sobre coisas boas e belas, do que realmente eu gosto, hoje venho fazer considerações não tão simpáticas, é, não só de coisas boas é formada a vida... Então...           Assim diz Clarice Lispector, sou como você me vê... Será? Tem alguns dias que ficamos perplexos em descobrir uma faceta até então desconhecida para todos de uma pessoa conhecida. De inicio ficamos perplexos, passado o susto inicial passamos a tentar decodificar sinais indicadores de tão triste passagem. Muitas vezes falamos com tanta propriedade sobre nós mesmos que demonstramos para os outros e para nós memos que conhecemos tudo o que somos, e de repente, bum! algo acontece, e como num surto aquilo que estava latente surge para quebrar a máscara, o disfarce. E fica a pergunta, mas como nunca percebemos isso?!          Para Carl Rogers, somos o que somos, e não aquilo que devemos ser...Será? É muito importante a percepção que temos de nós mesmos, a percepção…

UM NOVO ANO

Imagem do Google  Folheio o livro Com cheiro de novo E com páginas em branco Onde escreverei com letras douradas E forjarei cada presente de meu futuro. Nele um novo recomeço Um tempo de renovação. De reinventar-se De transformar sonhos em realidade. É um novo ano que se inicia E por um breve momento Todos os corações em sintonia Darão boas vindas a ele. Um novo tempo que nos traz esperança em dias melhores. Por isso acreditemos nas novas possibilidades... E sejamos felizes! Valéria Um ano novo abençoado para todos nós!

MAIS UMA VEZ AVÓ!

Quase um mês! Eu parei no tempo, mas ele continuou a passar fazendo acontecer muitas coisas boas e outras nem tanto. Estou atrasada com minhas leituras dos blogs amigos, a quem peço desculpas, mas aos poucos retomarei a vidinha na blogosfera.             Para me fazer sair um pouco do marasmo em que estava vi parte de mim renascer com o nascimento de meu terceiro neto dia 18/10. Vinícius nasceu para junto com sua irmãzinha completar a família do meu primogênito. É sempre uma dádiva ver acontecer o milagre da vida e é impossível não se emocionar quando se olha para aquele ser tão pequenino, tão frágil e tão lindo. Toda a felicidade do mundo para Vinícius!