Pular para o conteúdo principal

FELIZ DIA DAS CRIANÇAS - NA MINHA INFÂNCIA

 
 
              A infância é a fase mágica da nossa vida marcada por tantas ingênuas certezas e vivenciada por uma fé tão inocente que nos faz ver tudo colorido. Fui filha única e sempre vivi sob os olhos cuidadosos de meus pais que cediam sempre às minhas vontades, fui muito mimada, mas não havia paranoia, tinha muita liberdade. Pela idade deles que já eram bem maduros sempre estava cercada de muitos adultos e assim era muito educada e atenciosa até mesmo porque respeito estava acima de tudo. Como gostava de estudar tirava sempre boas notas e sempre passava de ano com facilidade. Amava meus cadernos e meus livros sempre impecáveis.
            A tecnologia não avançara ainda e poucos tinham telefone, televisão e assim não precisávamos avisar que íamos visitar alguém e mesmo assim éramos muito bem recebidos e nem havia uma tv a atrapalhar as animadas conversas. Como se valorizava esta troca!
              É, para mim foi assim, mesmo pobre, mas graças a Deus em um período em que o consumismo não impregnava a nossa vida com suas tentações, dávamos importância às coisas mais simples e parecia tudo mais fácil, descomplicado. Lembro-me com saudade das conversas animadas, das risadas, das brincadeiras com as amigas da rua ou do colégio, as inocentes brincadeiras de roda, correr na rua sem preocupação com a violência e o trânsito, brincar de boneca traduzindo ludicamente o que se vivenciava na escola e em casa, pular corda, pega-pega, ficar descalços na areia, tomar banho de chuva, uma bagunça gostosa sem neuroses de doenças. Era um viver intenso e despreocupado, onde o tempo não contava e os dias passavam lentos e sempre cheios de magia. Parecia que a infância era mais longa, não havia pressa em pular etapas, pular mesmo só amarelinha!
              Recordar faz valer à pena tudo isso que vivenciei! E este relato faz parte da brincadeira proposta pela amiga Beth do blog Mãe Gaia, “Para relembrar isso, vamos pegar carona neste dia das crianças e além de ver nossas fotinhas juntas, vamos também relembrar a criança que fomos e para isso, peço que cada um neste dia, poste, em poucas linhas, nada grande cansativo para que desistam de ler, mas uma pequena biografia do que foi, como brincava, como via a vida, como eram seus dias, seus pais, sua família, sua escola, sua casa”.
                Um feliz dia das crianças!

Comentários

  1. Lindas recordaçoes e história de tua vida... Não precisávamos de muito pra estar bem,né? beijos,tudo de bom,ótimo dia!chica

    ResponderExcluir
  2. Val filha única hein?!!! Bom recordar,beijo grande Feliz dia das Crianças

    ResponderExcluir
  3. Lindo, lindo minha amiga!
    Muita sensibilidade. Adorei o seu texto.
    Parabéns.
    Beijos no seu coração.

    ResponderExcluir
  4. Olá! Estou vindo lá do blog da Beth! Belíssimo post! Feliz Dia da Criança! Bjo

    ResponderExcluir
  5. Quantas recordações minha querida Valéria, AMEI LER e viajar contigo.
    Tens sensibilidade ao relatar e até queria ler mais.
    :)
    Linda tu pequenininha!!

    Feliz Dia da Criança, pra essa criança que sei ainda mora dentro de ti.

    Beijos com carinho.

    ResponderExcluir
  6. Oi Valéria,
    lindo post! Linda a sua história. Em muitos pontos, muito parecida com a minha.
    Sempre agradeço a Deus pela minha infância. Ela foi mágica!
    Beijos e feliz Dia das Crianças.

    ResponderExcluir
  7. Valéria, agora que sei que é você, percebo seus traços. Mas lá na Beth, não adivinhei. Adorei a brincadeira e só não participei pe não tenho fotos em idade pequena, as que tenho estão muito apagadinhas (ah! o tempo! rs).
    Uma infância bem vivida nos acompanha a vida toda, com suas boas lembranças, diferentemente do que acontece quando não é boa, o que nos marca para sempre.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  8. Valéria, vim aqui desejar um feliz dia das crianças para você e encontro essa postagem linda. Concordo com tudo da postagem e se fosse escrever daria um texto quase igual. Só mudaríamos as coisas de meninas para coisas de menino e pronto. O cenário seria igual e era tudo muito gostoso. O que mais sinto saudades é das conversas que tínhamos. Sem a interferência da televisão o mais importante era conversar. Ficávamos esperando aquele tio engraçado e cheio de "causos" para contar...
    Enfim, um feliz dia das crianças para nós dois. Para que nossas crianças interiores permaneçam sempre vivas enchendo esse mundo de inocente alegria.
    Um abração
    Manoel

    ResponderExcluir
  9. Oi Valéria
    Com seu belo texto, me enxerguei nele, minha infância tão bem curtida. A única diferença é que tenho 4 irmãos, somos 3 mulheres e dois homens.
    Nasci, cresci e morei até os 19 anos numa fazenda, daí você pode imaginar como minha infância foi rica em brincadeiras, traquinagens, obviamente, sadias, responsabilidade em ajudar nos serviços domésticos e muito carinho e amor dos meus pais.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  10. Valéria querida!
    Desculpe a demora em chegar até aqui, mas acabei saindo a tarde toda e só voltei agora.
    Muito lindo seu texto nos contando como foi sua infância, pelo jeito muito bem amada pelos seus, por que coisas materiais passam, mas amor e carinho fazem da gente pessoas melhores no futuro.
    Obrigada pela participação.
    E viva nossa criança interior!
    bjs cariocas



    ResponderExcluir
  11. Oi Valéria,
    está sendo muito gostosa esta ciranda que nos leva de volta às lembranças doces de nossa infância.Os tempos eram de mais amor, presença e respeito.
    A criança que fomos mora em nós.Viva!
    Bjkas e bom fim de semana.
    Calu

    ResponderExcluir
  12. Adorei Valeria esta ciranda onde cada um pode externar esta criança e registrar suas artes e notei que no fundo todos mostraram uma vida feliz como criança.Que esta criança esteja sempre aflorada em nós.
    Um belo fim semana amiga.
    Meu terno abraço.

    ResponderExcluir
  13. Lindo relato, Valéria. E ainda me fez viajar até minha própria infância pra reviver várias coisas. Obrigado, querida!
    bjos

    ResponderExcluir
  14. Valéria, gostei imenso das suas lembranças. Nota-se a inocência que transparece da memória.
    Muito belo.

    ResponderExcluir
  15. Lindas recordações, belíssima postagem...

    ResponderExcluir
  16. Olá Valéria,
    Eu também estou participando dessa linda brincadeira da Beth e adorei ver sua fotinha.
    Doces lembranças de nossas infâncias.
    Já estou linkada no seu blog.
    Bons fluidos.

    ResponderExcluir
  17. Boas lembranças sempre fazem bem, beijo Lisette.

    ResponderExcluir
  18. Essa infância, que também vivi, com pouco dinheiro e brincadeiras simples, representa muito. Lamento que as crianças, hoje, tenham tantos compromissos e não possam correr na rua, conversar nas varandas e calçadas, aproveitar momentos como os que temos na lembrança. Bjs.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostei de sua visita, volte sempre!

Postagens mais visitadas

COMO EU ME VEJO, COMO VOCÊ ME VÊ, COMO EU PENSO QUE VOCÊ ME VÊ... E COMO EU REALMENTE SOU!

Abrindo um parêntese no blog onde a proposta é só escrever sobre coisas boas e belas, do que realmente eu gosto, hoje venho fazer considerações não tão simpáticas, é, não só de coisas boas é formada a vida... Então...           Assim diz Clarice Lispector, sou como você me vê... Será? Tem alguns dias que ficamos perplexos em descobrir uma faceta até então desconhecida para todos de uma pessoa conhecida. De inicio ficamos perplexos, passado o susto inicial passamos a tentar decodificar sinais indicadores de tão triste passagem. Muitas vezes falamos com tanta propriedade sobre nós mesmos que demonstramos para os outros e para nós memos que conhecemos tudo o que somos, e de repente, bum! algo acontece, e como num surto aquilo que estava latente surge para quebrar a máscara, o disfarce. E fica a pergunta, mas como nunca percebemos isso?!          Para Carl Rogers, somos o que somos, e não aquilo que devemos ser...Será? É muito importante a percepção que temos de nós mesmos, a percepção…

UM NOVO ANO

Imagem do Google  Folheio o livro Com cheiro de novo E com páginas em branco Onde escreverei com letras douradas E forjarei cada presente de meu futuro. Nele um novo recomeço Um tempo de renovação. De reinventar-se De transformar sonhos em realidade. É um novo ano que se inicia E por um breve momento Todos os corações em sintonia Darão boas vindas a ele. Um novo tempo que nos traz esperança em dias melhores. Por isso acreditemos nas novas possibilidades... E sejamos felizes! Valéria Um ano novo abençoado para todos nós!

MAIS UMA VEZ AVÓ!

Quase um mês! Eu parei no tempo, mas ele continuou a passar fazendo acontecer muitas coisas boas e outras nem tanto. Estou atrasada com minhas leituras dos blogs amigos, a quem peço desculpas, mas aos poucos retomarei a vidinha na blogosfera.             Para me fazer sair um pouco do marasmo em que estava vi parte de mim renascer com o nascimento de meu terceiro neto dia 18/10. Vinícius nasceu para junto com sua irmãzinha completar a família do meu primogênito. É sempre uma dádiva ver acontecer o milagre da vida e é impossível não se emocionar quando se olha para aquele ser tão pequenino, tão frágil e tão lindo. Toda a felicidade do mundo para Vinícius!