Pular para o conteúdo principal

OS PREPARATIVOS

Imagem do Google
              Luiza deu uma última olhada no espelho, ajeitou o coque preso na nuca e sorriu, se sentia satisfeita, de bem com a vida. Olhou em torno todo o seu quarto impecavelmente arrumado e se dirigiu até a cama, passou a mão arrumando a prega que ficara na colcha e pegou o avental, colocou sobre o pescoço, amarrou nas costas e passou a mão ajeitando-o ao corpo. Não tinha como evitar, era maior que ela, era perfeccionista. Saiu do quarto e se dirigiu à cozinha, colocou a chaleira no fogo e começou o ritual do preparo do café da manhã, frutas cortadas, bolos feitos na tarde anterior, pão feito em casa, geleias, ovos e leite vindos da fazenda, um banquete para apenas duas pessoas, mas tudo feito com carinho e dedicação. Logo a cozinha começou a exalar o cheirinho do café fresco e quentinho chamando os donos da casa para o início do dia. Aquele casal já idoso e cheio de idiossincrasias morava ali há vários anos e todo este tempo ela lá trabalhara e acompanhara todo o nascimento e crescimento dos quatro filhos já casados. Agora uma nova geração no período das férias impregnava de vida àquela casa espaçosa e silenciosa. Eram netos esperados para fazer a alegria de todos. Luiza também ajudara nos cuidados com eles, também se sentia avó e era adorada por eles, paparicava-os e no seu jeito simples conseguia cativar a todos mais até que o velho casal.
               Hoje ela ia terminar de por em prática os preparativos finais para receber toda a família que chegaria de férias, roupas limpas e cheirosas, perfumadas com suas gotinhas de lavanda, doces, bolos e guloseimas para as crianças, muitas flores espalhadas pela casa, tudo em ordem como só ela sabia fazer. Há dias preparava o cardápio para aqueles dias em que um pouquinho do gosto de cada um seria atendido, afinal ela os conhecia como a palma da mão. Sabia que seriam dias de trabalho redobrado, mas valia a pena, fazia por prazer, com amor. A avó, dona da casa que a criara desde ainda pequena dava-lhe carta branca e tudo então passava por suas habilidosas mãos. Nos últimos detalhes feitos com a inquietação própria da espera só se escutava o arrastado de pés das duas indo e vindo no afã de logo terminar a grande espera.
               O antigo portão de ferro rangeu lá fora e dois corações cheios de amor dispararam... Eles chegaram... Seriam dias de festa!

               Um feliz final de semana para todos!

Comentários

  1. é exatamente assim quando minha mãe preparada a casa quando vou ao Brasil visitá-la, me sinto tão amada! Beijos

    ResponderExcluir
  2. É assim que nos preparamos para recebermos nossos entre queridos! Com amor, dedicação, conforto e muito amor!!!

    Beijão

    ResponderExcluir
  3. Legal! Essa duas parecem-se comigo quando vou receber pessoas queridas aqui em casa. eu gosto disso!
    Acho que é uma pura demonstração de carinho, consideração e amor para com nossos hóspedes.
    Que beleza seus fractais de textos!
    beijos cariocas

    ResponderExcluir
  4. Valéria que conto mais lindo, me emocionei, pois recordei meus pais e deu uma saudade tão grande, mas uma saudade gostos, por que só tenho lindas recordações deles.
    Muito obrigada querida por esse momento delicioso.
    Lindo final de semana, beijinhos em seu doce coração.

    ResponderExcluir
  5. Que lindo Valéria, eu fico bem assim qdo vou receber as pessoas que estou com saudades! bjinhos

    ResponderExcluir
  6. Ah!Valéria!!

    Que conto lindo!!!É tão bonito esta delicadeza de alma,estes cuidados pequenos, mas feitos com tanto amor!Sabes, lembro muitos momentos assim.São os que mais trazem alegria para o coração!
    Beijos,minha amiga!

    ResponderExcluir
  7. Querida Valéria, que lindo!
    Senti-me avó, senti-me avó emprestada como a protagonista, senti-me neta que chega, filha que volta. Fui ao passado, voltei ao presente, visitei o futuro! E fiquei emocionada...
    Bjsssssssssssssss, quérida!

    ResponderExcluir
  8. Valéria,
    que sensibilidade este texto!
    Hoje mesmo liguei para a minha avó avisando que semana que vem a 'tropa' vai chegar. Fizemos as contagem das primas que vão e das camas que tem por lá(isso porque de 13 netos minha avó só tem UM neto -na verdade nos últimos anos apareceram + 2 netos do coração- e ele mora em Palmas. Pensa na mulherada que é minha família!)... e dessa vez não precisará levar barraca.
    Como prima mais velha eu que organizo a bagunça. Fazemos tabelinha de quem vai arrumar a cozinha, fazer o almoço... é uma festa! E meus avós adoram. Tenho uma tia que é especial e que moram com meus avós. Esses dias ela me ligou querendo saber quando que vamos para lá. O três ficam ansiosos aguardando a nossa chegada!
    É tudo muito bom!

    Um excelente final de semana!

    Abraços,
    Carol
    www.umblogsimples.com

    ResponderExcluir
  9. Minha querida, que vontade de ficar aqui, sentindo esse cheirinho de café e viajando nessas linhas....adorei...
    Vou te compartilhar na minha Fan Page, todo mundo precisa saber que suas linhas são doces e delicadas.
    Obrigado pela sempre companhia

    ResponderExcluir
  10. passei para ler seu texto e desejar um final de semana feliz. gosto do seu espaço, dinamico. abraços lamarque

    ResponderExcluir
  11. Minha amiga,

    Me senti nesta cena...casa de fazenda, mesa posta, alegria no coração...a vida é tão simples de ser vivida, será por que que a gente complica tanto né?

    Abraço,
    Votos de uma boa noite de domingo pra você!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostei de sua visita, volte sempre!

Postagens mais visitadas

COMO EU ME VEJO, COMO VOCÊ ME VÊ, COMO EU PENSO QUE VOCÊ ME VÊ... E COMO EU REALMENTE SOU!

Abrindo um parêntese no blog onde a proposta é só escrever sobre coisas boas e belas, do que realmente eu gosto, hoje venho fazer considerações não tão simpáticas, é, não só de coisas boas é formada a vida... Então...           Assim diz Clarice Lispector, sou como você me vê... Será? Tem alguns dias que ficamos perplexos em descobrir uma faceta até então desconhecida para todos de uma pessoa conhecida. De inicio ficamos perplexos, passado o susto inicial passamos a tentar decodificar sinais indicadores de tão triste passagem. Muitas vezes falamos com tanta propriedade sobre nós mesmos que demonstramos para os outros e para nós memos que conhecemos tudo o que somos, e de repente, bum! algo acontece, e como num surto aquilo que estava latente surge para quebrar a máscara, o disfarce. E fica a pergunta, mas como nunca percebemos isso?!          Para Carl Rogers, somos o que somos, e não aquilo que devemos ser...Será? É muito importante a percepção que temos de nós mesmos, a percepção…

UM NOVO ANO

Imagem do Google  Folheio o livro Com cheiro de novo E com páginas em branco Onde escreverei com letras douradas E forjarei cada presente de meu futuro. Nele um novo recomeço Um tempo de renovação. De reinventar-se De transformar sonhos em realidade. É um novo ano que se inicia E por um breve momento Todos os corações em sintonia Darão boas vindas a ele. Um novo tempo que nos traz esperança em dias melhores. Por isso acreditemos nas novas possibilidades... E sejamos felizes! Valéria Um ano novo abençoado para todos nós!

MAIS UMA VEZ AVÓ!

Quase um mês! Eu parei no tempo, mas ele continuou a passar fazendo acontecer muitas coisas boas e outras nem tanto. Estou atrasada com minhas leituras dos blogs amigos, a quem peço desculpas, mas aos poucos retomarei a vidinha na blogosfera.             Para me fazer sair um pouco do marasmo em que estava vi parte de mim renascer com o nascimento de meu terceiro neto dia 18/10. Vinícius nasceu para junto com sua irmãzinha completar a família do meu primogênito. É sempre uma dádiva ver acontecer o milagre da vida e é impossível não se emocionar quando se olha para aquele ser tão pequenino, tão frágil e tão lindo. Toda a felicidade do mundo para Vinícius!